Vinologique

Porque a vida é curta para beber vinho ruim – tudo sobre o mundo dos vinhos para iniciantes de um jeito simples e sem frescuras!


Deixe um comentário

Dia dos Namorados – Canaille

12 de Junho chegando, dia do “onde será que ele/ela vai me levar pra jantar?”, e tenho uma ótima dica pra você que está em São Paulo e quer impressionar aquela pessoa especial.

O Canaille é um bar/restaurante gracinha em Pinheiros, aberto no começo do ano, onde o vinho ganha papel de protagonista – mas a comida não fica nem um pouco atrás. Conheço a sommelière de lá, a Marina Bertolucci, de uma outra vida, quando nenhuma de nós  ainda estava envolvida no mundo dos vinhos. Ela é mais um caso bem sucedido de “larguei-a-profissão-que-pagava-bem-mas-não-me-fazia-feliz” e hoje comanda a carta de vinhos com opções bastante surpreendentes e acessíveis – e cheia de vinhos em taça <3. Já fui lá algumas vezes e a cada nova visita gosto de experimentar alguma coisa nova. Existe tanto vinho no mundo, qual é a graça de ficar bebendo sempre o mesmo, né?

Como se uma carta de vinhos bem-feita não fosse suficiente para recomendar uma visita, aqui vai um motivo a mais para os casais apreciadores de bons vinhos: um cardápio especial para o Dia dos Namorados que pode ser harmonizado com 3 vinhos diferentes, uma taça para cada prato.

dia dos namorados Canaille

Não sei vocês, mas eu fiquei babando com as opções – sem falar no preço!!

Ah, recomendo fazer reserva logo, porque Dia dos Namorados costuma ser também uma daquelas datas que bate recorde de filas de espera em todos os restaurantes da cidade, e stress, fome e sede não combinam com romance. 😉 O telefone de lá é (11) 3898-3102.

Saúde, santé, cheers, salud!


Deixe um comentário

Onde não é só o chef que merece elogios

A maioria dos restaurantes é sempre elogiada (ou criticada) com base no trabalho do(a) chef. Pouco se comenta, porém, o trabalho dos sommeliers, responsáveis por montar a carta de vinhos. Um lugar que na minha opinião merece muito que se note este profissional é o Manioca. O restaurante é “filho” do Maní, da Chef Helena Rizzo. Estava desesperada pra ir lá depois de ser perseguida no Instagram por inúmeras fotos de um tal bolo de chocolate.

Não fiz reserva e tive que aguardar algum tempo no bar. Pedi a carta de vinhos para dar uma olhada e qual não foi minha surpresa ao me deparar com uma variedade enorme de vinhos – inclusive espumantes – servidos em taça!! 😀 Se não fosse assim eu provavelmente não teria bebido, já que minha amiga não queria tomar vinho. Pedi uma taça de espumante brasileiro rosé – sim, você leu certo, BRASILEIRO!!! – para acompanhar o couvert dos deuses: um polvilho gigante servido com requeijão e coalhada seca!

Couvert e espumante rosé

Quando nossa mesa ficou pronta, bati um papo com a sommelière Gabriela Bigarelli, cujo trabalho eu já acompanhava via Instagram. Não só ela montou a carta com uma boa seleção de vinhos como uma página inteira oferece diferentes tipos de “flight“: de acordo com o tema escolhido, são servidas três taças de vinho simultaneamente – se não me engano os preços começavam em R$45.

Flight de Pinot Noir - Manioca

Escolhi o flight de Pinot Noir para experimentar nesta visita. Foram servidos 3 vinhos tintos, um da Borgonha (FR), um orgânico da Patagônia (AR) e um Chileno. O legal de pedir o flight em vez de uma garrafa é poder comparar as diferenças entre os três vinhos, neste caso feitos a partir da mesma uva.  Como as taças são servidas de uma vez, você tem toda a refeição para degustá-los.

O primeiro, da Borgonha, era um vinho delicado, o menos aromático do flight. Tinha aroma de frutas vermelhas maduras e um toque herbáceo, como de folhas molhadas. Tudo era bastante agradável neste vinho, mas nada de muito surpreendente.

Roux Père et Fils - Bourgogne

O segundo, orgânico da Patagônia, eu já tinha tomado há algumas semanas e gostado bastante. Ele também apresentava aroma de frutas vermelhas, aqui um pouco mais maduras, acompanhadas por notas inusitadas de folhas secas. Ele tinha mais corpo e mais acidez que o Bourgogne, mas ainda assim se mostrou um vinho muito elegante.

Saurus

O último, o Chileno “Cartagena” foi meu favorito do flight. Não o conhecia e fiquei completamente apaixonada!!! ❤ Aqui os aromas mais marcantes para mim foram os de animais, couro, seguidos por frutas muito mais maduras, como de cereja em compota. Um vinho um pouco mais potente que os outros dois, mas ainda assim sem perder as características de um Pinot Noir.

Cartagena

Não vou entrar nos detalhes da comida, que estava deliciosa – escolhi uma torta de pupunha com salada. E quanto ao bolo que motivou minha visita… Bom, ele realmente é incrível, achei que valeu cada caloria!! ❤ Agora não vejo a hora de voltar lá por causa dos vários outros fligths de vinho que esperam minha degustação – e claro, posso fazer o sacrifício de pedir o bolo de novo!! 😉

O boloooo <3

Gabi, parabéns pelo seu trabalho, precisamos de mais bares e restaurantes que invistam em uma experiência de vinho como esta do Manioca!!!

Para os leitores paulistanos ou de passagem por São Paulo que ficaram babando com este post, reservem um tempinho na agenda e corram lá para experimentar um dos flights, garanto que seu almoço/jantar vai ficar muito mais interessante! O restaurante fica no Shopping Iguatemi, entrada pela Livraria Cultura, no 3º piso.

Saúde, santé, cheers, salud!


5 Comentários

A casa dos naturebas

Tentei não escrever um livro em vez de um post hoje, mas foi difícil controlar a empolgação….prometo que você vai gostar!!

Em primeiro lugar, adorei o interesse ontem pelo post sobre os vinhos laranja!!! 🙂 Recebi vários comentários aqui e fora pedindo recomendações de rótulo, de onde encontrar… Bom, a minha experiência com vinhos laranja ainda é bem iniciante, confesso. Mas nosso primeiro encontro foi definitivamente muito feliz e em um dos ambientes mais queridos de São Paulo: a Enoteca Saint Vinsaint, na Vila Olímpia, há algumas semanas.

O ambiente parece mais uma casa do que um restaurante. Casa daquelas que passa uma sensação de conforto, super aconchegante. Bem decorada nos mínimos detalhes e ao mesmo tempo passando aquela sensação de que tudo foi se encaixando por acaso, surgindo aos pouquinhos. Me mudaria para lá num piscar de olhos, fiquei apaixonada!!

Alguns ambientes do Saint Vin Saint

Alguns ambientes do Saint Vin Saint

O lugar é pequeno, como deveria ser. O cardápio, sazonal, seguindo a linha de comida de verdade, orgânica, feita com carinho e ingredientes da melhor qualidade, escolhidos um a um. A carta de vinhos sem rótulos óbvios, cheia de orgânicos, biodinâmicos (vou explicar a diferença em um post futuro, prometo), laranjas – naturebas, como são carinhosamente chamados por ali. Me senti mega à vontade, e ao mesmo tempo parecia que estava saindo para jantar pela primeira vez na vida, de tão novo que era tudo para os meus sentidos.

Sinceramente, não sabia por onde começar a escolher um vinho ali. Um amigo que frequenta o Saint Vinsaint tinha me recomendado um rótulo que, infelizmente, não estava disponível no dia. Aceitei a sugestão do garçom que nos atendia e pedi um vinho laranja brasileiro, feito com a uva Malvasia do produtor Eduardo Zenker, na região de Garibaldi, RS.

20150417_010006769_iOS

A garrafa era assim, sem rótulo. O vinho tinha uma cor linda, meio alaranjada e um pouco turvo – o que é comum em vinhos orgânicos e não significa que ele estava com defeitos, pois não é filtrado. O aroma era intenso,  puro mamão e flores brancas. Imaginei que na boca seria um vinho levinho, quase doce. Ao provar, que surpresa! Um vinho mais cítrico, floral e bastante ácido.  Fiquei completamente encantada e positivamente supresa.

Já que o assunto aqui é vinho, vou terminar a narrativa dizendo que todo o resto foi perfeito. Os pratos, a sobremesa <3, o show de Jazz (que eu nem sabia que ia ter quando decidi ir até lá) e a atenção da queridíssima Lis Cereja, a linda idealizadora, chef, sommelière e dona desse lugar incrível que ganhou meu coração.

Entradinha: abobrinha branca gigante servida com queijo e molho de mel. Prato: Arroz negro com shitake, cenoura, pupunha e tomate. Sobremesa: creme brulée ao Champagne ! <3

Entradinha: abobrinha branca gigante servida com queijo e molho de mel. Prato: Arroz negro com shitake, cenoura, pupunha e tomate. Sobremesa: creme brulée ao Champagne ! ❤

Resumindo: se estiver em São Paulo, faça uma reserva e corra pra conhecer o Saint Vinsaint. Se não estiver, entre no site da enoteca e compre os vinhos laranja pra tomar em casa!! 😀

Saúde, santé, cheers, salud!

ps: eles não aceitam cartão de crédito, então vá preparado com débito ou dinheiro, ok?!