Vinologique

Porque a vida é curta para beber vinho ruim – tudo sobre o mundo dos vinhos para iniciantes de um jeito simples e sem frescuras!


Deixe um comentário

SOMM

Fim de semana chegando ao fim, quero deixar uma dica de filme para meus queridos leitores: o documentário SOMM, disponível na Netflix.

Muita gente já ouviu falar deste filme que mostra o árduo percurso de cinco homens para obter o título de Master Sommelier. Eu mesma não sabia o que era um “MS” (abreviação usada no mercado para se referir a sommeliers com tal título) antes de ver o documentário, mas confesso que fiquei absolutamente fascinada.

somm

Sem estragar o filme para ninguém, o título é dado pela Court of Master Sommeliers aos melhores sommeliers do mundo, que passam por três provas dificílimas: teórica, degustação às cegas e serviço. Para vocês terem uma ideia, na degustação às cegas cada candidato tem 25 minutos para descrever 6 vinhos – e não é uma descriçãozinha qualquer não! Eles precisam acertar a uva, a região e tentar inclusive o ano e o produtor!

Insano? Bastante. Vontade de fazer a prova? Meu sonho!!!

Nessa última Expovinis tive o imenso prazer de conhecer o querido MS Matt Citriglia. Super humilde e simpático, Matt dividiu com outros colegas um pouco sobre a Court of Master Sommerliers e sobre o processo. Fiz uma degustação às cegas com ele e tive ótimas dicas. No fim tudo é uma questão de treino e de calibrar o paladar – mas conto mais sobre este encontro no próximo post.

Por enquanto, assista ao filme para entender a saga que só 243 pessoas no mundo hoje conseguiram concluir com sucesso. 😉

Saúde, santé, cheers, salud!


Deixe um comentário

A lenda “RP”

Com certeza você já viu uma loja anunciando um vinho com uma sinalização de dois dígitos e essas duas letrinhas, algo como “91 RP” em destaque, prática bastante comum nas lojas virtuais. Algumas têm até uma seção de “super pontuados”, onde também é comum ver números perto de 90 acompanhados pela sigla.

Ao contrário do que muitos pensam, “RP” não indica uma premiação dada a um vinho por um comitê avaliador, mas sim à pontuação numa escala de 0 a 100 atribuída por um único mortal: Robert Parker. Este senhor é um americano, nascido em 1947 que foi estudar na França e descobriu sua paixão por vinhos. Em 1975, ele resolveu escrever sobre vinho, criando um guia prático para o consumidor, pensando que não era tão simples encontrar informações sobre os rótulos.  Temos tanto em comum, RP e eu! Rs 😉

A diferença é que, em vez de lançar um blog (até porque nem internet existia na época), esse visionário lançou a publicação The Wine Advocate, onde ele próprio avaliava os vinhos e os colocava nesta escala padronizada, criando algo como um atestado de qualidade para cada rótulo testado. Como ele não era vendedor de vinhos, suas avaliações eram consideradas idôneas e logo começaram a ter efeitos no mercado. Com sua publicação se tornando mais popular ao longo do tempo, rótulos podiam se tornar famosos do dia para a noite. Aqueles que recebem acima de 90 pontos são considerados excelentes e os acima de 95, excepcionais. Da mesma forma, rótulos conhecidos e caros podiam subitamente perder seu prestígio caso recebessem uma nota aquém do esperado. Assim, a nota “RP” se tornou um índice comum no mercado, conhecido hoje em todo o mundo.

Este é um dos clássicos casos de ter a ideia certa, na hora certa. É claro que talento também teve um papel importantíssimo nessa história. Os mitos dizem que ele teria o olfato/paladar mais aguçado do mundo e que beberia mais de 10 mil vinhos por ano, lembrando todos os que degustou nas últimas três décadas – aham Parker, vou fingir aqui que acredito! rs. Boatos ou não, é fato que Robert Parker é uma das pessoas mais influentes no mundo do vinho e revolucionou a forma da indústria se relacionar com os consumidores finais.

Contei aqui uma história super resumida, claro, mas para quem ficou curioso, o site oficial dele é o www.erobertparker.com

Ah sim, um último lembrete: você pode SIM 🙂 não gostar de um vinho 90+ dele. As avaliações consideram sempre o que é esperado de um determinado vinho/safra/região na teoria. Mas você que está sempre por aqui já sabe que gosto é super pessoal e você tem todo o direito de gostar de um  vinho ou não, ainda que ele seja perfeito em sua definição, né? 😉

Saúde, santé, cheers, salud!