Vinologique

Porque a vida é curta para beber vinho ruim – tudo sobre o mundo dos vinhos para iniciantes de um jeito simples e sem frescuras!


2 Comentários

Rolha de cortiça em vinhos de guarda

Já falei aqui sobre vinhos sem rolha de cortiça, mas o post de hoje é sobre as vantagens da cortiça em vinhos de guarda, ou seja, aqueles que precisam de algum tempo na garrafa antes de serem consumidos para estarem em seu auge.

Vinhos não gostam de oxigênio. Se deixar uma garrafa aberta por uns 2 dias, não importa qual seja o vinho, você vai entender o que estou falando. Inclusive já mencionei algumas vezes a importância de armazenar garrafas com rolhas de cortiça na horizontal, para que a mesma não resseque e não deixe entrar ar na garrafa.

Mas o que eu não falei é que na verdade o vinho usa o oxigênio para desenvolver alguns de seus aromas. O contato com o ar é parte importante deste processo, mas em quantidades muito microscópicas. A cortiça, como você já sabe, tem furinhos, não é totalmente sólida. O ar consegue (com bastante dificuldade) atravessá-los e interagir com o vinho, fazendo com que este desenvolva alguns aromas complexos. Assim, produtores de vinhos com qualidade superior, que sim se desenvolvem com o passar dos anos, utilizam apenas rolhas de cortiça. Além da tradição, eles defendem que a cortiça tem um papel importante no envelhecimento (daí o preconceito que muita gente tem com os vinhos de rolha sintética).

rolha de cortiçaNo entanto, produtores da Austrália e Nova Zelândia recentemente têm feito estudos para provar que vinhos com tampa de rosca (screw cap) podem envelhecer tão bem quanto os com rolha de cortiça – se não melhores, por não estarem sujeitos a problemas que só aparecem nas rolhas. De qualquer forma, só saberemos o resultados destes estudos em alguns anos. Até lá, podemos continuar bebendo e tirar nossas próprias conclusões. 😉

Saúde, santé, cheers, salud !

Anúncios


1 comentário

Rapidinha – App Taxa de rolha

Como você provavelmente já sabe, os milhares de aplicativos de celular disponíveis hoje podem facilitar muito a vida. Para a felicidade de quem gosta de vinhos, tambén existem diversos apps que você pode baixar e queria falar de um deles hoje, o novíssimo Taxa de Rolha.

A proposta é super simples: ele detecta os restaurantes na sua região e diz quais não cobram pela rolha caso você queira levar sua garrafa de vinho de casa e quais cobram – neste caso ele informa também o valor. O app é gratuito e está disponível para iOS e Android.

taxa-de-rolha-1

*Sempre lembrando que a etiqueta pede que, mesmo quando a rolha não é cobrada, se optar por levar um vinho de casa leve um que não conste na carta do restaurante e, de preferência, cujo valor seja acima do vinho mais barato da casa. 😉

Saúde, santé, cheers, salud !


2 Comentários

Vinhos orgânicos – degustação De Martino

Ontem fui convidada pelos amigos da Eno Cultura e da Wise Waste para uma palestra e degustação de vinhos orgânicos na presença do renomado enólogo Marcelo Retamal e achei que valia a pena compartilhar com vocês o que vi.

Vinhos orgânicos são aqueles que não usam nenhum tipo de produto químico para controlar os problemas que podem afetar uma vinícola, como pragas e falta de nutrientes no solo. Em vez disso, o produtor tenta manter o ecossistema em equilíbrio, assumindo que a natureza saberá fazer um bom trabalho, e utiliza apenas produtos de origem também orgânica quando necessário.

A vinícola chilena De Martino adotou a produção orgânica e sustentável desde 1998. Eles usam, por exemplo, cavalos no lugar de máquinas para aparar a grama que cresce entre as parreiras alimentando o animal e gerando fertilizante ao mesmo tempo. A colheita também é manual, minimizando a emissão de carbono.

Como podem imaginar, todas estas medidas geram custos mais altos para o produtor, e nem sempre o consumidor entende as diferenças para valorizá-las. Mesmo assim, achei muito legal ver que existem produtores realmente empenhados em fazer o bem para o mundo. Sem dúvida, esta é uma forte tendência para os próximos anos.

Mas eu sei que você está curioso: afinal, e o vinho como fica ?

Degustamos 6 rótulos ontem: um branco, um rosé e quatro tintos:

Degust De MartinoAs estrelas da noite na minha opinião foram o rosé (R$72,90), o Carmenère Alto de Piedras (R$147,10) e o Viejas Tinajas (R$113,20). Não falamos sobre preços, mas fiz uma pesquisa no site da Decanter, que importa os vinhos De Martino no Brasil e também vende online.

O primeiro era muito refrescante e delicado, com uma boa acidez que me lembrou muito os rosés da Côte D’Azur, fiquei encantada !! ❤

Rose Gallardia De Martino

Carmenère é outra uva típica do Chile que eu adoro. Ainda estava jovem mas mesmo assim bastante agradável, com suas notas características de pimenta.

Carmenere Alto de Piedras De Martino

Por fim, o Viejas Tinajas, feito 100% com a uva Cinsault em ânforas de argila, sem intervenção química ou humana no processo, o que o faz ser um vinho muito diferente de tudo que já provei ! Achei incrível !!

Veiajs Tinajas 2012 De Martino

Gostei muito das discussões que tivemos ontem com o enólogo e saí de lá querendo provar mais vinhos orgânicos! E você, topa experimentar alguns ?

Saúde, santé, cheers, salud !